entrevista com Antonio Negri

Nessa entrevista, o filósofo italiano Antonio Negri analisa os desafios para a organização das lutas, tenta responder à pergunta “como estar junto?”, central de seu novo livro “Assembly”, e analisa o contexto de transformações do capitalismo. E isso sem deixar de observar as diferenças entre Brasil e Europa. A passagem do trabalho industrial pra o pós-industrial coincide com a do capitalismo industrial para o financeiro. As implicações políticas dessa transformação, tanto na perda do sujeito histórico centrado no trabalhador da fábrica quanto no declínio do Estado de Bem-estar, assim como a mudança da fonte da exploração e produção de valor, seriam elementos até hoje negligenciados por parte das forças progressistas. O apego teórico e afetivo a uma compreensão produtiva do trabalho entendido como fadiga e dor, bem como a integração e consequente comprometimento com o antigo sistema de setores intermediários como o sindicato, estariam na origem dessa negligência. Em que medida renda universal e empreendedorismo poderiam reabrir o horizonte de mudanças a partir da atualização conceitual-prática das forças de esquerda, você confere no vídeo! Bom tempo livre!